Pular para o conteúdo principal

CALVINISMO E ARMINIANISMO, CALVINO NÃO ERA CALVINISTA E ARMÍNIO NÃO ERA ARMINIANO

      James Armínio foi um teólogo holandês que viveu no século XVII e se propôs a estudar e refutar doutrinas anti-calvinistas. Curiosamente, ele não debateu com Calvino, aliás, quando ele nasceu João Calvino veio a falecer poucos anos depois, quando Armínio era criança. Em meio aos seus estudos reconheceu, segundo ele, que a predestinação tinha por base o conhecimento de Deus. No demais Armínio era seguidor de Calvino, na doutrina da ceia,por exemplo. Os cinco pontos arminiano não foi realizado por ele, pois, já havia falecido quando os fizeram, por isso, que digo que Armínio não era arminiano. Calvino, possivelmente, iria ser contra o título  calvinista, tudo o que ele queria era ensinar a palavra, o calvinismo, portanto, foi produto da mente dos seus seguidores.
       Na época da formulação dos cinco pontos calvinistas ( termo no mínimo curioso) a Holanda brigava com a Espanha, que apoiava os comerciantes arminianos, logo, os calvinistas eram vistos com maus olhos pelos espanhóis. Com a independência da Holanda diante da Espanha, no século XVII, o calvinismo ganhou força, enquanto rolava a assembleia de Westminster, e a doutrina calvinista estava sendo engessada, arminianos eram presos por frios calvinistas fundamentalistas. Praticamente ninguém, ou quase ninguém fala sobre isso.  Existem verdades no "calvinismo", é verdade que a fé é dom de Deus, também é verdade que existe a perseverança até o fim, é verdade que Deus  soberano. Também é verdade que são duas coisas irreconciliáveis , liberdade humana e vontade divina, e explicar isto é inexplicável. "O HOMEM É SÍNTESE DE LIBERDADE E NECESSIDADE" . DEUS NÃO É CALVINISTA NEM ARMINIANO, DEUS NÃO É FUNDAMENTALISTA. Ele é livre. O PECADO É LIBERDADE MAU USADA E DEUS USA O MAU PARA O BEM.
  Calvinismo e arminianismo são sistemas criados pelos fundamentalistas do século dezessete. A palavra é.O fundamento está posto. 
       Quem lê , entenda,
        para provocar e problematizar, 
        Prof. José Costa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESCRIBAS E DOUTORES DA LEI.

Quem eram os escribas e doutores da lei, na época de Jesus? os Evangelhos fazem alusão a eles de forma abundante. Jesus assume uma posição de contestação em relação a estes indivíduos.Muito eu teria que falar, porém, irei fazer um resumo básico.       Nem todo escriba era doutor da lei, embora todo doutor da lei fosse, de fato, um escriba. Eles surgiram em um período pós-exílio, quando os judeus começaram a se organizar em sinagogas, estes centros de estudos da Torá, a lei de Deus. Era o século sexto antes de Cristo, para simplificar a data. Nos dias bíblicos, faziam parte do Sinédrio, esta corte judaica que possuía grande força em Israel. Na verdade, os doutores da lei tinham grande influência, principalmente na educação de indivíduos e no seu julgamento. Eles tinham feito "uma cerca em volta da lei", eram respeitados por todos, monopolizavam a educação. Diziam que viviam da lei e para a lei. Enquanto os sacerdotes viviam no Templo, os escribas viviam na sinagoga. fora…

O PERÍODO DO TERROR NA REVOLUÇÃO FRANCESA

Os anos de 1792 - 1794 são conhecidos como o " período do terror" da Revolução. É neste período que ocorre os radicalismos.É também neste período que acontece a primeira República francesa, pois, a Monarquia Constitucional da fase imediatamente anterior, é abolida depois da decapitação de Luís XVI. Destacam-se nesta fase os partidos políticos dos Girondinos, de direita, cujo líder era Brissot, defendendo a propriedade privada; e os Jacobinos, com Danton, Robespierre e Marat, partido de esquerda, defensores de medidas mais extremadas e populares, aliás os termos direita e esquerda tão usado no meio político e que hoje se confundem tem sua origem na Revolução Francesa, pois, na Assembleia os Girondinos assentavam-se à direita e os jacobinos à esquerda.              Foram criados os tribunais revolucionários e comitês de salvação pública. Era o "terror necessário", para combater os inimigos da Revolução. Bens foram confiscados e terras doadas aos mais …

VIDA NOS TEMPOS DE JESUS, O SINÉDRIO JUDAICO.

O Sinédrio, na época de Jesus Cristo, era uma corte, um conselho, um consistório, por assim dizer, porém, possuía muito poder, de fato, ele transformou-se num tribunal religioso, a semelhança da inquisição na Idade Média.           Esta assembleia compunha-se de setenta e um homens, pois, segundo a tradição judaica, setenta indivíduos ajudavam Moisés, guiando o povo de Israel. Quem presidia o Sinédrio era o Sumo - Sacerdote, indivíduo que detinha grande poder religioso. Ora, ele era facilmente reconhecido por suas vestes, por onde passava o povo o reverenciava e o respeitava bastante. Era a encarnação viva da lei de israel. Na época de Cristo, Caifás era o Sumo- Sacerdote, genro de Anás, passou dezoito anos no poder, sendo substituído, posteriormente, por Anás, seu cunhado e filho do seu sogro cujo nome também era Anás.          Este conselho também era formado por Fariseus e Saduceus, falarei futuramente sobre eles, os príncipes dos sacerdotes eram pessoas que haviam sido sumo sa…